Thursday, May 9, 2013

Filhos...

Em 2011 o meu relógio biológico não tocava ligeiramente... Despertava de uma maneira que me deixava louca. Influência de uma "pseudo"-relação estável e de companhias que queriam ter rebentos o quanto antes. Até em nomes de crianças andei a pensar. 

Uns anos depois, essa "pseudo"-relação acabada e afastando-me dessas companhias o relógio biológico acalmou. Começou a dar horas muito raramente, geralmente quando me encontro com bebés pequenos e geralmente até estes começarem a fazer birra.

Não me levem a mal. Sei que eventualmente irei querer ter crias (sim, não me parece que tenha sido talhada do melhor material para ser mãe. Os pobres dos meus rebentos se eventualmente fossem criados por lobos estariam melhor), e que quando essa altura chegar vou gostar muito deles e eles vão ser tão fofos ("inserir obra onde uma mulher que não queria ter filhos acaba rodeada por eles).

No entanto, e enquanto esse tempo não chega começo a sentir uma repulsa por bebés e crianças. Why, you ask? Uma colega de trabalho contribui todos os dias para que esse pequeno ódio cresça dentro de mim. Todos os dias ela fala do filho. Como o miúdo já come papa, como o miúdo já dorme a noite toda, como afinal não dorme a noite toda, como o miúdo está doente, como o miúdo fez o diabo a sete... Mas não satisfeita com o contar, ela documenta. E todos os santos dias em que trabalho com ela, ela me mostra uma foto do miúdo montado no cão, o miúdo com um corte novo, etc... 
E quando não estou no trabalho? SMS a contar a última peripécia para a qual eu me estou literalmente borrifando. 

Obviamente a criança não tem culpa. No meio disto tudo é o menos culpado. Mas isto tem vindo a fermentar um ódio a bebés tremendo e agora em vez de querer ver crianças só me apetece correr para o lado oposto quando as vejo.

Eu sei que meio mundo anda grávido e outro meio anda a tentar engravidar, mas por favor!!! Há quem de momento não tenha filhos e que não esteja assim tão interessado no relato emocionante do primeiro cócó na fralda.

2 comentários:

Eros said...

É verdadeiramente desesperante e patético... principalmente quando se colocam a mostrar fotografias, com tiradas tão ridículas como: «tem o meu sorriso não tem?»,
- Queres ver que o rebento lhe saiu pela boca e agora ficou desdentada?... :P


Haja filtro, minhas fêmeas pavão... e deixem-se também de mostrar reproduções fotográficas do puto numa alusão à Manneken Pis! Isto tira-me do sério!!

Beijo :)

blonde said...

Ahahahah! Não tinha pensado nessa resposta, mas vou adoptar para o meu repertório de perguntas estúpidas, respostas à sua altura. :)

Eu acho que ela não conhece (ainda) a Manneken Pis. E, eu odeio dizer isto porque ninguém deve ficar na ignorância, mas ela que fique sem conhecer. Já chegam os relatos das peripécias. Fotos não.

Beijos. :)